quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Limite

Um dia qualquer sem menos esperar
Uma flor que desabrochou
Em um lugar onde não se imaginava
que ela poderia nascer
Um filhotinho de pardal que arrisca sair do ninho
Porque a mãe parou te trazer alimento
Um águia que bica a pedra até que seu bico caia
E nasça outro novinho no lugar
Um piloto que ejetou segundos antes do avião cair
Paraquedas reserva que quase não abriu
A mãe que pulou no rio sem saber nadar
para salvar o filho que havia caído
O bombeiro que salvou o garoto das ariranhas
E morreu horas depois por causa das mordidas que sofrera

Cada um tentando superar seu limite
Arriscando suas manobras em um mundo
que quase não espera para ver seu resultado
Cada um lutando por um pedaço de pão
Ou por um trocado
Cada um se esforçando para salvar sua vida
Na grande selva urbana
Repleta de animais irracionais que usam roupas
E falam como gente
Amores que acabam e renascem nos novos desafios
Ou limites superados
Palavras que o vento leva ou
Respostas que nunca chegam
Silêncio que apodera de algumas pessoas
E as tornam cada vez mais intelectuais
Palavras que já não saem mais
Por causa da agonia deste limite ainda não superado.
Perseguido, almejado
Que em um dia comum quase se cansa pra sempre !

Nenhum comentário: