sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Eu vi


Je suis ici
Chorou sim que eu vi
Corou o rosto sim que eu vi
Correu muito sim que eu vi
Me amou muito sim que eu vi
Me machucou muito que eu senti
Chorou sim que vi
Pediu sim que eu vi
Cantou sim que eu ouvi
Parou sim que eu vi
O coração chorou sim
que eu senti
Não achou ainda porque eu perdi
Perdi sim eu senti
Me has hablado de esto si
porque lo se
Mirome mucho si
Que yo vi
Cuase se murio que yo vi
vuelvas luego porque su partida yo senti
...

Jaci Velasquez



La luna fue alguna vez Roca nada másY las estrellas Lucecitas más allá Hoy la luna es una Perla celestial Las estrellas son las ventanas A un nuevo despertar Mira lo que has hecho en mí Con tu inmenso amor Tu poesía y tu sentir Están en mi interior Danza muy feliz mi corazón Y es libre mi alma en ti
Mira lo que has hecho en mi
Sé que una vez yo Respiré tanta soledad
Que no sentía En mi pecho palpitar Hoy la vida me da un beso Al respirar Siento al fin mil mariposas Que van volando en mí Mira lo que has hecho en mí Con tu inmenso amor
Tu poesía y tu sentir Están en mi interior
Danza muy feliz mi corazón
Y es libre mi alma en ti
Mira lo que has hecho en mí
Y aún no sé Si sólo fue un violín
O si tú me hablaste Si fue tal vez un rayo [si sólo fue un rayo]
Qué cayo [que miré]
O si fue tu mano Qué me sujeto [sujetándome]
Mira lo que has hecho en mí
Con tu inmenso amor
Tu poesía y tu sentir
Están en mi interior
Danza muy feliz mi corazón
Y es libre mi alma en ti
Mira lo que has hecho en,
lo que has hecho
en mí
Mira lo que has hecho en mi
oh,
oh
Oh,
en
mi.

Rushi ddi viggig hasd jish

..

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Tu mirada




Mírame otra vez….

Minúsculas irreflexiones nos han hecho afirmar la distancia…
Por que otra vez ocurriría que nos diríamos adiós sin mirarnos a la cara.
Mírame otra vez, haz que gire entre tus brazos como el viento
Sostengo en mis escurridizas manos los días que te debo por no amarte, resucitar los minutos que se hundieron cuando para
alejarnos tuvimos que empuja...


Mírame otra vez..
entonces yo no te dejaré salir por mis manos
como fueran de nosotros los dias que intentamos segurarlos
deja que sus ojos estean siempre cerca de mi cara
ya no dejare que te llores por cual sea la circunstância
lo tiempo no dejare findar hasta que se encuentre nuestra mirada...
Mírame otra vez...

My Sweet writer

*Hidratar mis sentidos con el sudor de tu boca
*coincidiendo las caricias de nuestros cuerpos
*permaneces sorriendo mordiendo mis labios
*Contemplamos como niños nuestros parecidos tan deseados
*te tengo entre mis brazos hoy...y solo los latidos hablan
*las palabras ausentes ¡hoy estas conmigo amor!

-
-
Rico..Siempre la tendré con cariño..mi querida writier

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

O som

*O som que agora ouço me leva a querer continuar a linda de pensamento que perdura num coração decidido sobre o que realmente quer..que titubeia a´s vezes, mas que se persevera em suas convicções..se luta bravamente em seus planos, projetos e desafios que serão vencidos.

*O som que agora ouço me faz lembrar de coisas boas que se passaram e que um dia voltarão...sentimentos que permeiam uma mente brilhante, que sustenta um voz gritante, que garante um comportamento sóbrio e as vezes ignorante...culto o modo de pensar e legítimo seu produtor que lamenta cantando e escrevendo...

*O som que agora ouço me leva a lugares onde gostaria de ir..desmbaraça minha mente em um alto pensamento que vagueia entre o querer e o realizar - só Deus pode fazer - em uma pessoa como eu.
Subindo meu conceito e aprendendo como caminhar em lugares desconhecidos que não me opõem em querer deter-me...somente eu sei do que se trata e vou querer continuar..

*O som que agora ouço me torna mais romantico e mais voltado ao lado espiritual..."Change my heart oh God"...procure enquanto se pode achar e pule enquanto se tem alegria..amazing grace sobre todos nós. isto que penso me alegra..me transforma..me regenera..me quabranta..em faz ter um sofrimento que naõ quero evitar..gosto dele..faz parte de minha escência...

*O som que outrara acabara de ouvir me leva a terminar o que gostaria de continuar..me leva à realidade de onde estou e me constrange em querer ainda mais..sei que posso mais..sei que devo mais..sei onde chegar com tudo isso..sei que escrevo para mim mesmo...sei que ninguem lê iss aqui mesmo..sei que este é meu refugio..lugar onde coloco meu pensamento e posso lê-lo depois e voltar a pensar quando eu tiver esquecido..

*O som que agora ouço me diz " good luck"..no que me respondo "thank you"..

Somente eu

pensar e não dizer nada com nada quando na verdade se quer dizer tudo e saber que apenas poucas pessoas ou quase ninguem, até mesmo eu diria que ninguem compreende o que se quer dizer..isso sem duvida faz parte do meu desenvolvimento literário que de quando em quando se aflora...
*coisas dificeis nos aparecem sempre como:
-segurar o nó na garganta quando aparece;
-morder os lábios quando se quer dizer algo fundamental e não pode;
-enxugar logo a lágrima quando ela teima em sair;
-sussurrar quando na verdade o que se quer dizer é grintando que se desabafa;
-transpirar quando precisa ficar sequinho;
-ser fraco quando precisa ser forte;
-olhar para alguem no momento em que necessita que te olhem;
-ouvir o que não precisa e quem precisa ouvir naõ está presente;
-sofrer calado para poupar a si mesmo de aborrecimentos futuros;
-bater em quem não merece e apanhar de quem não tem forças;
-dizer não quando o caração sempre diz sim;
-se apegar ao abstrato quando o concreto é mais convincente;
-correr para não ser apanhado evitando a aniquilação de quem nos persegue;
-rir chorando e chorar sorrindo;
-querer dar a quem ama tudo que tem e não ter nada a oferecer no momento;
-ver tudo escapar entre os dedos; melhor seria possuir guelvas naquela hora;
-perder-se ao encontrar-se e esconder-se para não ser encontrado;
-lamurias por gestos e desabafos por silencio;
....
seguir o caminho sem querer apagar onde andou e querer que o caminho adiante tenha o mesmo requinte, porem sendo diferente...
...
a lágrima que cai agora é simplesmente o coração suando por causa das lembranças que o cérebro lhe envia e o mesmo se recusa a querer; o franzir da testa não é nada além de uma questão um pouco obscura que quer dizer: vai em frente, mas somente se realmente estiver disposto a enfrentar um verdadeiro mar de ondas bravias sobre ti;
navegar é realmente preciso? a pergunta que o musculo gerente da vida faz.
-
sangre mesmo; sue mesmo; se consuma no seu silencio e sempre ouça a voz que o desafia, mas sempre diga Não quando for necessário...
-
quero apenas ouvir o som que eu mesmo produzo...

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Sorte?

No mês de agosto de 2001, Moshê (nome fictício), um bem sucedido empresário judeu, viajou para Israel a negócios.

Na quinta feira, dia nove, entre uma reunião e outra, o empresário aproveitou para ir fazer um lanche rápido em uma pizzaria na esquina das ruas Yafo e Mêlech George no centro de Jerusalém.

O estabelecimento estava superlotado. Logo ao entrar na pizzaria, Moshê percebeu que teria que esperar muito tempo numa enorme fila, se realmente desejasse comer alguma coisa - mas ele não dispunha de tanto tempo.

Indeciso e impaciente, pôs-se a ziguezaguear por perto do balcão de pedidos, esperando que alguma solução caísse do céu. Percebendo a angústia do estrangeiro, um israelense perguntou-lhe se ele aceitaria entrar na fila na sua frente. Mais do que agradecido, Moshê aceitou. Fez seu pedido, comeu rapidamente e saiu em direção à sua próxima reunião.

Menos de dois minutos após ter saído, ele ouviu um estrondo aterrorizador. Assustado, perguntou a um rapaz que vinha pelo mesmo caminho que ele acabara de percorrer o que acontecera. O jovem disse que um homem-bomba acabara de detonar uma bomba na pizzaria Sbarro`s...Moshê ficou branco. Por apenas dois minutos ele escapara do atentado. Imediatamente lembrou do homem israelense que lhe oferecera o lugar na fila. Certamente ele ainda estava na pizzaria.Aquele sujeito salvara a sua vida e agora poderia estar morto.Atemorizado, correu para o local do atentado para verificar se aquele homem necessitava de ajuda. Mas encontrou uma situação caótica no local. A Jihad Islâmica enchera a bomba do suicida com milhares de pregos para aumentar seu poder destrutivo. Além do terrorista, de vinte e três anos, outras dezoito pessoas morreram, sendo seis crianças. Cerca de outras noventa pessoas ficaram feridas, algumas em condições críticas. As cadeiras do restaurante estavam espalhadas pela calçada. Pessoas gritavam e acotovelavam-se na rua, algumas em pânico, outras tentando ajudar de alguma forma. Entre feridos e mortos estendidos pelo chão, vítimas ensangüentadas eram socorridas por policiais e voluntários. Uma mulher com um bebê coberto de sangue implorava por ajuda.

Um dispositivo adicional já estava sendo desmontado pelo exército. Moshê procurou seu 'salvador' entre as sirenes sem fim, mas não conseguiu encontrá-lo.

Ele decidiu que tentaria de todas as formas saber o que acontecera com o israelense que lhe salvara a vida. Moshê estava vivo por causa dele. Precisava saber o que acontecera, se ele precisava de alguma ajuda e, acima de tudo, agradecer-lhe por sua vida. O senso de gratidão fez com que esquecesse da importante reunião que o aguardava. Ele começou a percorrer os hospitais da região, para onde tinham sido levados os feridos no atentado.

Finalmente encontrou o israelense num leito de um dos hospitais. Ele estava ferido, mas não corria risco de vida. Moshê conversou com o filho daquele homem, que já estava acompanhando seu pai, e contou tudo o que acontecera. Disse que faria tudo que fosse preciso por ele. Que estava extremamente grato àquele homem e que lhe devia sua vida. Depois de alguns momentos, Moshê se despediu do rapaz e deixou seu cartão com ele. Caso seu pai necessitasse de qualquer tipo de ajuda, o jovem não deveria hesitar em comunicá-lo. Quase um mês depois, Moshê recebeu um telefonema em seu escritório em Nova Iorque daquele rapaz, contando que seu pai precisava de uma operação de emergência. Segundo especialistas, o melhor hospital para fazer aquela delicada cirurgia fica em Boston, Massachussets. Moshê não hesitou. Arrumou tudo para que a cirurgia fosse realizada dentro de poucos dias.Além disso, fez questão de ir pessoalmente receber e acompanhar seu amigo em Boston, que fica a uma hora de avião de Nova Iorque.

Talvez outra pessoa não tivesse feito tantos esforços apenas pelo senso de gratidão. Outra pessoa poderia ter dito 'Afinal, ele não teve intenção de salvar a minha vida: apenas me ofereceu um lugar na fila 'Mas não Moshê. Ele se sentia profundamente grato, mesmo um mês após o atentado. E ele sabia como retribuir um favor. Naquela manhã de terça-feira, Moshê foi pessoalmente acompanhar seu amigo - e deixou de ir trabalhar. Sendo assim, pouco antes das nove horas da manhã, naquele dia onze de setembro de 2001.

Moshê não estava no seu escritório no 101º andar do World Trade Center Twin Towers.

(Relatado em palestra do Rabino Issocher Frand)

'Entrai pelas portas dele com gratidão, e em seus átrios com louvor;louvai-o, e bendizei o seu nome.' Salmos 100:4

Rico