sexta-feira, 30 de novembro de 2007

o gato

Curiosidades Felinas


· Homens e gatos possuem a mesma região do cérebro responsável pelas emoções.· O cérebro do gato é mais similar ao do homem do que ao do cão. · O gato possui mais ossos do que os humanos. Enquanto o homem possui 206, os gatos possuem 245 ossos. · Os gatos possuem 30 vértebras, 5 a mais que os humanos.
· Gatos possuem 32 músculos que controlam suas orelha. Ele pode girar suas orelhas, independentemente, a quase 180 graus, e 10 vezes mais rápido do que o melhor cão de guarda.· A audição dos gatos é muito mais sensível do que a dos homens e cães. Seus ouvidos afunilados, canalizam e amplificam os sons como um megafone.· Os gatos ouvem até 65 khz (kilohertz), enquanto que os homens ouvem até 20 khz.
· Em proporção ao corpo, os gatos são os mamíferos que possuem os maiores olhos.·Um gato enxerga 6 vezes melhor do que um humano à noite, porque necessita de 1/6 da quantidade de luz necessária ao homem para enxergar. · Recentes estudos revelaram que os gatos podem ver o amarelo, azul e o verde. Ainda não se sabe ao certo, se conseguem ver o vermelho, provavelmente essa cor é vista como cinza ou preto..
· O campo de visão de um gato é de 185 graus.. Os gatos sacrificaram os detalhes e as cores pela capacidade de enxergar com pouquíssima luz. Eles não conseguem enxergar pequenos detalhes, vêem o mundo desfocado.. Por serem muito sensíveis à luz, os olhos dos gatos possuem pupilas verticais. Quando totalmente abertas, ocupam uma área proporcionalmente maior do que a pupila do homem.. No fundo do olho, os gatos tem uma camada de células denominadas "tapetum lucidum". A luz, após absorção, é refletida por essas células de volta para a retina, para que seus receptores tenham uma segunda chance de captá-la. Isso aumenta a eficiência dos receptores da retina em cerca de 40%.· Gatos de olhos azuis e brancos de pelagem, são geralmente surdos.· Leva cerca de 2 semanas para o filhote ouvir bem e seus olhos abrem em média com 7 dias.
· O gato possui aproximadamente 60 a 80 milhões de células olfatórias. O homem possui entre 5 a 20 milhões. · Os gatos possuem um órgão olfatório especial no céu da boca, chamado: Orgão de Jacobson. É um analisador de odores e é por isso que as vezes vemos os gatos abrir a boca estranhamente (riso sardônico), quando sente odores fortes.
· O gato possui um total de 24 bigodes, agrupados de 4 em 4. Seus bigodes são usados para medir distâncias.
· Gatos têm 30 dentes, enquanto os cães possuem 42. Os dentes de leite são substituídos pelos permanentes, por volta dos 7 meses de idade.
· Os gatos andam na ponta dos dedos.. As patas do gato possuem receptores muito sensíveis que levam informações, na velocidade da corrente elétrica, até o cérebro: exploram coisas novas, sentem os alimentos, a velocidade do que passa sobre elas.· O gato doméstico pode correr a uma velocidade de 50 km/h

· Quase 10% dos ossos dos gatos se encontra na cauda, e esta é responsável pela manutenção do seu equilíbrio.· O gato doméstico é a única espécie que consegue manter a sua cauda ereta enquanto anda. A cauda também é demonstrativo do estado de humor do gato.
· Quando o gato está assustado, seu pêlo se eriça por todo o corpo. Quando ele vai atacar, o pêlo se eriça somente numa estreita faixa sobre a coluna vertebral.
. Gatos esfregam o rosto em objetos e pessoas para marcar com o seu cheiro, como uma assinatura. O odor é deixado por glândulas, que possuem na parte anterior do rosto.. Fêmeas esfregam o corpo em machos que querem e também, de uma forma geral, todos se esfregam naqueles que sabem serem maiores e mais fortes, mas não quer dizer que o considerem superiores. É uma deferência e um pedido de amizade.
· O Maicis, o primitivo ancestral dos gatos, era uma pequena criatura que vivia em árvores há 45/50 milhões de anos.
· O Maine Coon é a única raça natural de gatos da América. · Existem cerca de 100 raças de gatos.
· Gatos respondem mais facilmente a nomes terminados com som "i".
· O gato treme quando sente muita dor. · O ronronar nem sempre é por alegria e prazer. Alguns gatos ronronam alto quando estão muito assustados ou com dor.. Gatos selvagens miam muito menos do que os domésticos. Isso se deve ao fato dos gatos aprenderem que miando chamam a atenção do homem para suas necessidades.
· Os gatos são muito limpos e passam cerca de 30% de sua vida se limpando.· Quando se lavam, os gatos perdem quase tanto líquido quanto perdem na urina.
· Gatos adultos e sadios passam 15% de sua vida em sono profundo. Em sono leve por 50% de sua vida, o que deixa apenas 35% do tempo no estado acordado. Mas passam do estado de sono profunda para acordado e alerta, mais rápido do que qualquer espécie.
· Um gato é capaz de pular 5 vezes a sua altura.. O gato sempre cai de pé, desde que o tempo de queda seja suficiente, para que ele gire seu corpo e se defenda da queda, amortecendo o impacto.
· A expectativa de vida de um gato de rua (sem dono) é de cerca de 3 anos. Um gato com dono e dentro de casa, pode chegar a 16 anos. Uma fêmea chamada "Ma", viveu por 34 anos, sendo o gato que viveu mais tempo, que se tenha registro, até hoje.. Para calcular a idade do seu gato, considere que o primeiro ano de vida equivale à 15 anos humanos. Adicione 4 (anos) a cada ano a mais de vida que ele tiver.
· Napoleão Bonaparte, Dwight Eisenhower e Hitler, detestavam gatos.·Winston Churchill, Abraham Lincon, Florence Nightngale, Robert E. Lee, Sir Isaac Newton, Mark Twain, compositores como Ravel e Chopin , Buddha, Mohammed, Jules Verne, Ernest Hemingway, Henry David Thoreau, Monet, Renoir. Scarlatti and Liszt, Camille Saint-Saens, Albert Schweitzer, adoravam gatos.

postei isso pq não tinha nada pra postar...='.'=
>-º<

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Observador

Apenas um observador do tempo vê que tudo ao seu redor lhe proporciona uma chance de viver intensamente cada momento;
não olha para as circunstâncias que lhe causam dano nem se importa com quem lhe feriu naquele antigo romance;
não vive com medo de um novo engano Um vez que sua experiência pôs o desejo ao seu alcance.

Apenas um observador do tempo pode ver que dia após dia ele envelhece e a cada conquista ele quer permanecer na convicção de que isto lhe engrandece.
Sabendo que coisas novas ainda vão acontecer
se orgulha muito do que lhe envaidece
Neste caminho que se lhe propôs a percorrer.

Apenas um observador do tempo pode bater no peito e dizer que seus cabelos brancos são a coroa de sua bravura.
E numa vida difícil acompanhada de pessoas mesquinhas seu maior desafio não é chegar na frente ou ser ovacionado
e sim não tornar seu ideal em uma frustração,
deixando seu alvo sem ser alcançado ou se perder no próprio caminho, vivendo ao invés da realidade uma ilusão

.

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Era Moderna.


A arquitetura moderna dá forma às suas novas e ousadas construções que enchem os olhos de quem aprecia uma boa e confortável estadia.
O sonho continua sendo o mesmo desde que se descobriu que era melhor seu aconchego feito de alvenaria. O silêncio fala por si só quando fecha-se os vidros de apartamentos vedados e cheios de pompa.
O dinheiro já não é mais o mesmo, que pelo passar do tempo desvalorizou-se e tirou o sono do homem, mas não o impediu de sonhar.
As dificuldades aumentaram muito devido ao crescente número da expansão demográfica, o abandono do campo e a superlotação das metrópoles que em breve tornar-se-ão em megalópoles recheadas de barracos que contrastam com a modernidade de um novo padrão.
E o homem continua sonhando, vendendo o almoço para comprar a janta;
a miséria crescendo sem contensão e com a água escassa, seca-se a garganta;
para não desanimar os que estão de fora e não causar ainda mais pânico às pessoas que estão internas, vai aqui meu conselho para o homem da era que se chama moderna:
Melhor fosse você tivesse usado suas descobertas para ampliar o lugar de onde não deveria ter saído: a sua caverna!
Rico >-°<

domingo, 25 de novembro de 2007

Lana

Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana Lana

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Sentimento

Sentimento
O sentimento que se apodera das palavras
Que faz gemer o homem forte
É capaz de promover felicidade e a vida
Mas tambem capaz de trazer a morte

O sentimento desfila nos lábios como modelos em uma passarela
colorindo o ambiente como uma aquarela
deslumbrante em novidades
de uma tendencia dominante
indescente ou inconstante
Mas imponente na sua mensagem abrangente
mostrando sua marca que prevalece
no corpo do esperto, do culpado
e tambem do inocente.

Sentimento que provoca variações de humor
Feito previsão do tempo
Trazendo precauções na atmosfera do coração
Para não ser pego de surpresa com por um forte vento
Que em velocidade alta pode deixar ruínas no peito;
E na alma da vítima um grande desalento.
Levando seu teto de segurança
Deixando-o desabrigado ao relento.
Sentimento,
sentimento.
Traga a paz e não o aborrecimento !
Viu, sentimento?
.
>-º<

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

ESCULTURA DO TEMPO
Como exímio artesão,
O tempo me sulca a pele,
Clareia meus pelos"Desmodela" meu corpo,
E me turva a visão...
Mas o que eu mais queria,
Era que sua falsa maestria
Remodelasse a ilusão.
Exímio artesão?
Pensa que tudo pode...
Desastrado cirurgião!
Só modela a argila da vida
Com o pó da solidão.
MAVISão Paulo/SP - Brasil, 47 anos, Escritora Amadora

>-°<

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Christ


this is wonderful pic...
achei isto muito criativo..bela arte e muita habilidade do escultor.
digno de ser observado. Tudo em areia.

Os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento anuncia as obras de suas mãos.

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

San

Eii san..deixando um grande bj e um enorme abraço pra ti aqui hoje !!
Lo voglio il meglio per lei !!

terça-feira, 13 de novembro de 2007

Forte Vento


Forte vento
forte e invencivel
imperceptivel
mas senti-lo é possivel
impetuoso ou quase desastroso
Mas brando e calmo
que traz a paz e não incalço
sopre com a força necessária
e vire a página
ainda aberta
que escrevo outra história.

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Desafios

Já pensei várias vezes em desistir de encarar um grande desafio que tenho. Mas toda vez que estou desistindo surge uma nova espectativa; uma nova porta se abre para que o desafio seja vencido. Parece que a luta será tão desgastante que me sinto muito inferior ao desafiante, e realmente o sou!
Quando olhei para esta foto que postei aqui, me senti no lugar deste jovem que aqui se encontra fotografado. Por que o desafio dele primeiro é vencer o medo. Depois o desafio dele será voltar no topo de onde ele desceu, porque chegar lá em baixo ele vai chegar com certeza, mas sabe a grande consequencia se acontecer uma queda.
O desafio dele é descer. O meu desafio não foi descer, porque isto eu fiz com tanta certeza que o simprevistos no meio da descida não me impediram de chegar vivo lá em baixo.
Agora meu maior desafio tem sido subir onde eu estava e não mais escolher um risco tão alto novamente para que da próxima vez eu não viva e não tenha outra oportunidade de subir.
Ninguem enviou um resgate para me buscar; os que assistiram não se preocuparam em saber como eu cheguei lá em baixo e não viram meus ferimentos; não se esforçaram para saber se eu precisava de ajuda depois de uma descida tão brusca e rápida.
Mas coloquei em meu coração que os que desejaram ver minha descida com certeza não desejarão me ver outra vez lá em cima. Então estou buscando forças para subir mesmo sendo devagar, mas estou subindo. Os que riram de minha descida não estão percebendo que estou subindo novamente. E quando eu chegar no topo outra vez, verão que o meu desafio foi superado e vencido.

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

A tormenta


A tormenta

A tormenta que me acalma
É o desatino que traz paz à minha alma
É o alivio que eu preciso
Mesmo sendo lágrimas em meio a um sorriso.
É a dor que me adormece
O silêncio que me estarrece
É o desejo exposto em minha prece
Quem sabe a noite que nunca amanhece.

A febre que traz frio em dia quente
A temperatura elevada de um doente
Faz-me permear o desconhecido pensamento descontente
Da loucura lúcida de uma bela mente.

Atitudes estranhas
Mudança de humor
Viagens insólitas nos labirintos do cérebro
Encontram a bonança deste delirante sonhador
Que sabe o que lhe apazigua a tempestade
Que lhe conforta e ao mesmo tempo provoca pavor.

terça-feira, 6 de novembro de 2007

esquecimento


Mais tarde em tua vida, um dia, hás de tentar, revolver da memória este tempo de agora...
Mas o mundo é uma praia, onde as ondas do mar apagam quase sempre as lembranças de outrora.
Veja bem o que a tua alma implora;
A vida é uma fonte a correr sem parar e a seguir sem voltar por este mundo afora...
Não se vive outra vez...
O que chamas presente há de ser amanhã um romance apagado que em vão procurarás reler inutilmente...
O tempo, tudo vence...
Tudo ele consome...
E se um dia talvez,
lembrares teu passado,
não mais hás de sequer reconhecer meu nome.

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

icógnito


O vento soprou todo aquele final de semana sufocante e muito abafado. O ar era quente e o oxigenio me faltava.
Inquieto eu ficava olhando para todos os lados procurando alguma alternativa que me trouxesse um pouco de alivio ! em vão !
quando eu andava me faltava o chão
as palavras tropeçavam na lingua ao serem expostas
todos evitam as minhas perguntas porque ninguem tinha uma resposta
não vi nada alem de alguem me dando as costas.
duvidei de mim mesmo, esqueci de viver
não quis mais estar entre as pessoas; preferi me isolar para não ver mais o tempo passar
reprovei meus sentimentos
comprometi minhas estruturas com impactos negativos
corri o risco de desabar e virar um monte de entulhos
o silencio me acalmava na ausencia de barulhos
a verdade não evitei
de todas as formas, uma outra opção eu tentei
mas a mente teimava em abalar ainda mais minhas bases
por dentro é como se tivesse acontecendo um rally
onde se corre em um terreno arenoso
perigoso
cheio de curvas que a qualquer momento pode causar um capotamento
é muito estranho porque de mim mesmo, apanho
tento me ludibriar com outras coisas
distrair-me com fábulas engraçadas
mas ao invés de me trazer sossego me levam ainda mais
para uma realidade nua e crua
e me sinto uma pessoa ultrapassada
me disseram que sou apenas um cara
mas sinto uma fera domada
que não se recorda mais de sua sevageria
e seus instintos estão latentes
mas ainda existem; isto é importante.
o vento não cessou e ainda assopra sobre mim com mansos assopros
e aproveito para pedir ao vento
que me traga um novo pensamento
que me traga um novo tempo
e me abasteça com muito alento
oh vento amigo meu
seja bem mais forte que eu
não assopre sobre mim como alguem que já pereceu
mas como alguem que como Fênix
das cinzas reviveu !

>-º<..carimbo

sábado, 3 de novembro de 2007

Um segredo

quase não é mais lembrado por nós
ficou para trás sem mesmo nos deixar uma chance
nossa mente se ocupou de outras coisas
e ficamos à mercê de novas espectativas
eu disse que não te esqueceria e cumpri
você disse que jamais amaria outra pessoa
e foi isso que eu vi
então porque o tempo e o destino não nos deixou outra opção
a não ser nos abstermos um do outro?
porque não cometemos as loucuras que planejamos?
tudo porque ao invés de viver, nós morremos.

>-º<

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

ALMA


Alma presa
Jejum forçado por completo
Pensamento vagueando por nada
A mente quase sempre cansada
Por nada
Pensando em coisa alguma
Chego a uma conclusão absurda
Que só em falar me causa náuseas
Não tenho nada alem de um coração em concordata
Vendo o corpo definhando quase sempre
Sem poder fazer nada
A dor apenas é mais um ingrediente
No caminhar deste andarilho descontente
Que se apega com coisas sólidas
Para esquecer as que estão distantes
Alma presa quase sempre se faz de tola
Queria asas para voar para longe
Sem ter medo da queda que quase sempre a persegue
Não pode isso acontecer
Pois não tem quem a carregue
Alma preocupada com tudo e com nada
Coração desamparado nem sempre contemplado
Mas é possível ver seu ritmo por causa do corpo
O qual maltrata sem dó e nem piedade
Alma sufocada
Por alguma coisa ou por nada
Alma, alma;
Mantenha a calma até que te acudam
E te tornem sarada
Com o remédio que necessitas
Que é o amor que te corrói e te atormenta.
E arde em seus olhos como pimenta.
Chore alma
Mas não deixe teu sofrimento tirar tua vida
Nem te tornar mais uma esquecida
Lamente se preciso for
Mas não morra por causa deste amor.

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

MONÓLOGO DAS MÃOS

Para que servem as mãos?
As mãos servem para pedir, prometer, chamar, conceder,ameaçar, suplicar, exigir, acariciar, recusar, interrogar, admirar,confessar, calcular, comandar, injuriar, incitar, teimar, encorajar,acusar, condenar, absolver, perdoar, desprezar, desafiar, aplaudir,reger, benzer, humilhar, reconciliar, exaltar, construir, trabalhar, escrever......
As mãos de Maria Antonieta, ao receber o beijo de Mirabeau,salvou o trono da França e apagou a auréola do famoso revolucionário;
Múcio Cévola queimou a mão que, por engano não matou Porcena;
Foi com as mãos que Jesus amparou Madalena;
com as mãos David agitou a funda que matou Golias;
As mãos dos Césares romanos decidiam a sorte dos gladiadores vencidos na arena;
Pilatos lavou as mãos para limpar a consciência;
Os anti-semitas marcavam a porta dos judeus com as mãos vermelhas como signo de morte!Foi com as mãos que Judas pôs ao pescoço o laço que os outros Judas não encontram.
A mão serve para o herói empunhar a espada e o carrasco, a corda;
O operário construir e o burguês destruir;
O bom amparar e o justo punir;
O amante acariciar e o ladrão roubar;
O honesto trabalhar e o viciado jogar.
Com as mãos atira-se um beijo ou uma pedra, uma florou uma granada, uma esmola ou uma bomba!
Com as mãos o agricultor semeia e o anarquista incendeia!
As mãos fazem os salva-vidas e os canhões; os remédiose os venenos; os bálsamos e os instrumentos de tortura,a arma que fere e o bisturi que salva.
Com as mãos tapamos os olhos para não ver, e com elas protegemos a vista para ver melhor.
Os olhos dos cegos são as mãos.
As mãos na agulheta do submarino levam o homem para o fundo como os peixes;
No volante da aeronave atiram-nos para as alturas como os pássaros.
O autor do "Homo Rebus" lembra que a mão foi o primeiro prato para o alimento e o primeiro copo para a bebida; a primeira almofada para repousar a cabeça, a primeira arma e a primeira linguagem.
Esfregando dois ramos, conseguiram-se as chamas.
A mão aberta, acariciando, mostra a bondade; fechada e levantada mostra a força e o poder; empunha a espadaa pena e a cruz!
Modela os mármores e os bronzes; da cor às telas e concretiza os sonhos do pensamento e da fantasia nas formas eternas da beleza.
Humilde e poderosa no trabalho, cria a riqueza; doce e piedosa nos afetos medica as chagas, conforta os aflitos e protege os fracos.
O aperto de duas mãos pode ser a mais sincera confissão de amor, o melhor pacto de amizade ou um juramentode felicidade.
O noivo para casar-se pede a mão de sua amada;
Jesus abençoava com a s mãos;
As mães protegem os filhos cobrindo-lhes com as mãos as cabeças inocentes.
Nas despedidas, a gente parte, mas a mão fica, ainda por muito tempo agitando o lenço no ar.
Com as mãos limpamos as nossas lágrimas e as lágrimas alheias.
E nos dois extremos da vida, quando abrimos os olhos para o mundo e quando os fechamos para sempre ainda as mãos prevalecem.
Quando nascemos, para nos levar a carícia do primeiro beijo, são as mãos maternas que nos seguramo corpo pequenino.
E no fim da vida, quando os olhos fecham e o coração pára, o corpo gela e os sentidos desaparecem, são as mãos, ainda brancas de cera que continuam na morte as funções da vida.
E as mãos dos amigos nos conduzem...
E as mãos dos coveiros nos enterram!